SECRETARIA DO AMBIENTE FECHA CEMITÉRIO CLANDESTINO DE CARROS EM ÁREA PROTEGIDA EM CAMPO GRANDE

Cemitério clandestino foi denunciado por pessoas que costumam caminhar pelas trilhas da Área de Proteção Ambiental (APA) de Gericinó Mendanha, na Zona Oeste do Rio

 

Ascom SEA

por Sandra Hoffmann

 

Cerca de 30 carcaças de carros foram retiradas hoje (26/07) de um cemitério clandestino de veículos na Área de Proteção Ambiental (APA) de Gericinó/Mendanha, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Promovida pela Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca; órgão da Secretaria de Estado do Ambiente), a partir de denúncias de pessoas que costumam fazer caminhadas pela unidade de conservação, a operação contou com o apoio do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), da Comlurb e de policiais do 40º BPM (Campo Grande) e da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).
Segundo o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, que acompanhou a ação, a APA de Gericinó/Mendanha é um dos “pulmões” da Região Metropolitana da cidade, pois abrange oito mil hectares de área protegida e muitas nascentes que desembocam no Rio Guandu-Mirim, que abastece cerca de 20 mil moradores da região.
“Não basta apenas criar unidades de conservação. Temos de protegê-las, garantindo o ecoturismo. Estamos retirando as carcaças, o cemitério será fechado e vamos instalar uma guarita e uma sede na entrada da APA de Gericinó/Mendanha. É inaceitável que um visitante, ao praticar sua caminhada pelas trilhas do parque, se depare com marginais atuando no desmonte de carros”, disse Minc, acrescentando que as sucatas dos carros vão virar insumo para siderúrgicas.
O secretário reafirmou que, em breve, serão instaladas Unidades de Policiamento Ambiental (UPAMs) nos parques estaduais. Inicialmente, essas UPAMs serão instaladas em cinco parques estaduais: Pedra Branca, na Zona Oeste do Rio; Ilha Grande, no Sul Fluminense; Tiririca, em Niterói; Três Picos, na Região Serrana; e Desengano, no Norte Fluminense.
“Inicialmente, cerca de 200 policiais militares, provenientes do Batalhão Florestal, irão atuar nessas UPAMs. Esses policiais irão atuar dentro e no entorno dos parques estaduais para coibir crimes ambientais. Eles também irão apoiar as ações da Cicca em sua região de atuação”, destacou o secretário, ressaltando que a meta é, em quatro anos, passar de 200 mil para 800 mil o número de visitantes nos parques estaduais.
Com auxílio de caminhões e de um trator, a equipe retirou cerca de 30 carcaças de carro de uma área situada no morro do Guandu, na Serra do Mendanha, na APA de Gericinó/Mendanha, em Campo Grande, Zona Oeste da cidade. Para simbolizar o fechamento do cemitério, a equipe passou uma corrente e um cadeado na entrada do caminho de acesso ao local.
“A operação foi desencadeada a partir de denúncias de pessoas que praticam caminhadas na APA. Para impedir o acesso ao local, vamos instalar bloqueios, com trilhos de trem, ao longo do trajeto e vamos aumentar a fiscalização”, disse o coordenador da Cicca, José Maurício Padrone.
A APA de Gericinó/Mendanha possui diversos atrativos, como belas cachoeiras, poços naturais, trilhas, grutas, rapel na Pedra da Cotenda, alguns sítios históricos e, com destaque, a cratera do vulcão de Nova Iguaçu.
A APA de Gericinó Mendanha foi criada em setembro de 2005 com área de 105 km² e está situada entre duas grandes regiões urbanas densamente povoadas: a Baixada Fluminense, englobando os municípios de Nova Iguaçu e Mesquita, e a Zona Oeste do Rio. Neste contexto geográfico, o seu entorno abrange 15 bairros de três municípios: Nova Iguaçu (Centro, Caonze, Da Luz, Jardim Alvorada, Dannon, Jardim Cabuçu, Valverde, Marapicu, Km 32 e Paraíso); Mesquita (Centro, Santa Teresinha e Chatuba); e Rio de janeiro (Bangu e Campo Grande).

Anúncios