5ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa aconteceu na Praia de Copacabana

Pessoas de várias religiões participaram da caminhada que visa a combater a intolerância religiosa

Ascom SEA

por Julia de Aquino

Milhares de pessoas de diferentes religiões se reuniram neste domingo (16/09) na orla de Copacabana para a 5ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. O evento tem como objetivo fomentar uma cultura de tolerância religiosa no Estado do Rio de Janeiro. O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, participou da caminhada que percorreu toda a Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio. O evento é promovido pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio de Janeiro (CCIR).

Judeus, umbandistas, muçulmanos, candomblecistas, kardecistas, católicos, evangélicos, ciganos, budistas, ateus, dentre outros segmentos religiosos e agnósticos estavam hoje participando da caminhada que visa o combate a intolerância religiosa e o respeito à diversidade.

Segundo o secretário do Ambiente, Carlos Minc, a opressão religiosa impede as pessoas de desenvolverem a fé. “A Secretaria do Ambiente é contra qualquer tipo de preconceito somos a favor da natureza e da liberdade religiosa”, disse o secretário.

Com apoio dos governos Federal, estadual e municipal, além da Rede Globo e da Petrobras, o evento contou com trios elétricos que animaram a multidão ao som de músicas de várias religiões. A caminhada terminou no Leme com o show da cantora Margarete Menezes.

Ano passado a caminhada contou com cerca de 80 mil pessoas, esse ano a previsão é que a Orla de Copacabana receba cerca de 120 mil religiosos, segundo dados da CCIR-RJ.

Minc lembrou ainda que a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), através da Superintendência de Educação Ambiental, desenvolveu o programa Ambiente em Ação, que tem como objetivo desenvolver ações contra a intolerância religiosa e contra a homofobia. “Criamos o Projeto Espaço Sagrado da Curva do S para regulamentar uma área dedicada a práticas de rituais de religiões afro-brasileiras que preservem a natureza”, disse Minc.

Instituído pelo Poder Público, o Espaço Sagrado da Curva do S, no Alto da Boa Vista, lançado pela SEA em agosto de 2012, contará com orientação aos visitantes e oficinas educativas voltadas para práticas religiosas sustentáveis que usam elementos que não agridam a natureza, como produtos biodegradáveis.

Segundo a superintendente de Educação Ambiental da SEA, Lara Moutinho, o Espaço Sagrado da Curva do S irá unir religião e proteção ambiental e contará com infraestrutura que inclui guarita e cancela, totens de sinalização, coletores de resíduos religiosos e uma central de tratamento de resíduos religiosos. “Queremos trabalhar os saberes ecológicos com os saberes do candomblé e da Umbanda para regularizar as práticas religiosas na natureza. Queremos mostrar que as práticas religiosas podem ser compatíveis com a proteção ambiental”, disse Lara.

Segundo a presidente da Congregação Umbandista do Brasil, Fátima Damas, esse ato é de extrema importância para todas as religiões e em especial para as que sofrem maior preconceito, como no caso da umbanda e do candomblé. “Hoje estamos caminhando ao lado de pessoas que antes nos discriminavam. Nosso país está dando exemplo de união e fé. Enquanto lá fora eles morrem e matam em nome de Deus, aqui nós estamos de mãos dadas nos unindo em nome de Deus”, disse Fátima.

Anúncios