Projeto Iguaçu vai reassentar 2,5 mil famílias que vivem em áreas de risco de inundação

Segunda fase das obras contempla Caxias e Belford Roxo, na Baixada Fluminense, com a construção de diques, pontes em rio e dragagem de valões 

por Ascom Inea

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, e a presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Marilene Ramos, apresentaram nesta quarta-feira (19/09), em audiência pública realizada em Duque de Caxias, a segunda fase do Projeto Iguaçu, que está promovendo, através de um amplo conjunto de intervenções, o controle de inundações e a recuperação ambiental das bacias dos rios Iguaçu, Sarapuí e Botas, na Baixada Fluminense.

Entre as ações do projeto está o reassentamento de 2,5 mil famílias que vivem em áreas de risco de inundação nas margens dos rios. A segunda fase também prevê a construção de 20 quilômetros de diques no Rio Sarapuí e de cinco pontes em Belford Roxo e Duque de Caxias.

Segundo o secretário do Ambiente, Carlos Minc, em Duque de Caxias, no Rio Iguaçu, estão previstas a recuperação do pôlder São Bento, a dragagem de cinco valões, com retirada de 20 mil metros cúbicos de sedimentos e de um canal auxiliar do rio, além da implantação de três parques fluviais. O pôlder é uma região pantanosa, plana e baixa,protegida por diques.

“Desde 2007, o Projeto Iguaçu já dragou 56 quilômetros de rios, retirando 5 milhões de metros cúbicos de sedimento, lixo e pneu. Agora, estamos iniciando a segunda fase do projeto”, disse Minc, durante a audiência pública.

No Rio Sarapuí, haverá dragagem de 1,5 milhões de metros cúbicos de sedimentos e a recuperação de 4,6 quilômetros de mata ciliar. No pôlder Alberto de Oliveira, haverá recuperação de 200 mil metros quadrados do reservatório pulmão, construção de canal de cintura e via marginal e construção de nove campos de futebol.

Em Mesquita, está prevista a construção da barragem D.Eugênia, com 23 metros de altura e 102 metros de extensão, para combater as cheias no centro da cidade. Em Belford Roxo, o Estado vai construir dois parques urbanos e três parques fluviais na área do pôlder Jardim Gláucia-Redentor e dragar 37 mil metros cúbicos em sete valões.

Iniciado em 2007, o Projeto Iguaçu já reassentou cerca de 3.000 famílias. Foram construídos 10 quilômetros de ciclovias, 12,5 quilômetros de vias marginais, três pontes e oito parques fluviais, além de estação de bombeamento e estruturas de comportas.

 

Foto: Lourenço Eduardo

 

Anúncios