BLITZ FECHA OFICINA ILEGAL NO CANAL DE MARAPENDI

Foto:Lourenço Eduardo

Foto:Lourenço Eduardo

Ascom SEA 

por Sandra Hoffmann

Secretário Carlos Minc participa da operação e anuncia para março de 2013 início da recuperação ambiental do sistema lagunar da Barra e Jacarepaguá

A Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca), órgão da Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), fechou hoje (12/12) uma oficina para conserto de barcos construída ilegalmente na beira do Canal de Marapendi, na Barra da Tijuca. Para a construção, Valderi Bitello aterrou parte de manguezal em área protegida, habitat de animais como a capivara – praticando crime ambiental.

Tendo à frente o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, as equipes de fiscalização chegaram ao local a partir de denúncias de moradores. Ao percorrerem áreas ao longo do Canal do Marapendi, os agentes flagraram a oficina de barcos. O proprietário morava em uma pequena embarcação ao lado da oficina.

A blitz contou com apoio da Cedae e de policiais do Comando de Polícia Ambiental (Cepam). No local, os agentes ambientais flagraram galões da resina epóxi – uma substância tóxica – armazenados de forma inadequada na beira do canal. O produto era utilizado por Valderi Bitello para o conserto das embarcações.

Ao percorrer o Canal de Marapendi, o secretário Carlos Minc disse que atitudes como a de Valderi Bitello, que construiu uma oficina de barcos em meio a um manguezal e na beira do Canal de Marapendi, também contribuem para degradar o ecossistema da região, agredindo a fauna e a flora.

“Além de avançar como o nosso programa de saneamento, vamos intensificar nossas ações fiscalizatórias e vamos deflagrar operações noturnas, pois recebemos denúncias de que condomínios desta região estão desligando suas estações de tratamento de esgoto (ETE) durante a madrugada para economizar energia elétrica. Isto é inadmissível”, enfatizou Minc, continuando:

“As blitze ecológicas são fundamentais para coibir crimes ambientais. Nos últimos dois anos, já realizamos nove operações batizadas de Rolha Ecológica em condomínios residenciais e comerciais dessa região. Nós concretamos com cimento a saída de esgoto de condomínios que não conectaram sua rede de esgoto com a da Cedae. Vamos continuar dando duro nesse pessoal, não interessa se é rico ou pobre”, advertiu o secretário.

Durante a fiscalização, Minc anunciou, para março de 2013, o início da dragagem do sistema lagunar da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá; com o processo de licitação para as obras sendo lançado até o final de 2012.

“Limpar as lagoas da região até 2016 é um compromisso olímpico do nosso estado e do país. Junto com a Cedae, já fizemos elevatórias e estações de tratamento de esgoto. Então, já temos recursos para, em três anos, concluir isso tudo. As intervenções vão abranger também o prolongamento do Quebra-Mar em 180 metros, na foz do Canal da Joatinga, com a construção de restaurante panorâmico, e a instalação de uma ilha-parque entre as lagoas do Camorim e da Tijuca. Além disso, vamos apoiar a Prefeitura do Rio, em especial a Secretaria Municipal de Transporte, na instalação de píeres onde funcionarão estações de transporte aquaviário na região, uma reivindicação dos moradores. Além disso, teremos mais duas elevatórias, uma no Recreio e a outra, em Jacarepaguá”, explicou Minc.

O coordenador da Cicca, José Maurício Padrone, disse que o proprietário da oficina, Valderi Bitello, será multado por poluição de corpo hídrico, de acordo com a Lei de Crimes Ambientais 9.605/1998, e responderá por crime ambiental. “Além da multa, ele terá de recompor o manguezal da área que suprimiu para construir a oficina. Vamos intensificar as fiscalizações, inclusive à noite”, completou.

Foto:Lourenço Eduardo

Foto:Lourenço Eduardo

Foto:Lourenço Eduardo

Foto:Lourenço Eduardo

Anúncios