BLITZ AMBIENTAL FLAGRA CINCO TONELADAS DE CARNE VENCIDA EM ABATEDOURO CLANDESTINO

Foto: Luiz Morier

Foto: Luiz Morier

Ascom SEA

por Steven McCane

Vísceras de animais eram jogadas no Rio Meriti e carne revendida para Feira de Acari

Abatedouro ilegal de suínos sem as mínimas condições de higiene foi fechado hoje (22/3) em blitz ambiental realizada pela Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca), órgão da Secretaria de Estado do Ambiente no bairro de Barros Filho, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Vísceras de porcos eram jogadas no Rio Muriti, um dos afluentes do Rio Acari que deságua na Baía de Guanabara. A ação contou com apoio da Polícia Militar Ambiental, do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e da Defesa Agropecuária, da Secretaria de Estado de Agricultura.

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, participou da interdição e ressaltou as precárias condições de funcionamento do local.

“É um crime ambiental e um crime contra a saúde pública. Em um abatedouro clandestino, sem qualquer condição de higiene, flagramos o lançamento de vísceras de porcos no Rio Meriti e na Baía de Guanabara em pleno Dia Mundial da Água.”

Segundo o Coordenador da Cicca, José Maurício Padrone, as cinco toneladas de carne com prazo de validade vencido, encontradas no galpão anexo ao abatedouro, tinham nota fiscal do supermercado Zona Sul eram vendidas ao abatedouro por 40 centavos o quilo. Após ser moída, o destino final da carne era a Feira de Acari, onde era utilizada como recheio de pastéis e de bolinho de aipim. A carne apreendida será transportada para Graxaria Grande Rio Nova Iguaçu onde será tratada, triturada e utilizada como farinha de ração animal.

No local ainda foram apreendidos 25 porcos que serão levados para um curral conveniado com o Governo do Estado do Rio, onde passarão por um período de quarentena, além de inúmeros materiais utilizados para o abate.

O responsável pelo abatedouro, Wilson Henrique Calazans, foi conduzido para Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) onde irá responder por crime ambiental e contra a saúde publica, podendo pegar até um ano de prisão.

O coronel Padrone ficou impressionado com os crimes flagrados contra a saúde população e o meio ambiente as margens do Rio Meriti, que é um importante contribuinte da Baía de Guanabara.

“Com essa ação conseguimos fazer com que as pessoas de boa fé que consomem esses pastéis não sejam contaminadas. Nós fomos verificar uma denúncia de um abatedouro clandestino, atiramos no que vimos e acabamos acertando no que não vimos.”

Foto: Luiz Morier

Foto: Luiz Morier

Foto: Luiz Morier

Foto: Luiz Morier

Anúncios