NOROESTE FLUMINENSE VAI INAUGURAR MODERNO TRATAMENTO DE LIXO

Secretaria do Ambiente anuncia novos investimentos na região, como 15 viveiros de mudas de Mata Atlântica para ações de reflorestamento

Ascom SEA

» Sandra Hoffmann

Foto: Luiz Morier

Foto: Luiz Morier

Ao participar hoje (9/8) da cerimônia de abertura da Conferência Regional de Meio Ambiente no Noroeste Fluminense, no Município de Natividade, o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, listou iniciativas do governo em benefício da região e anunciou, para outubro, a inauguração da Central de Tratamento de Resíduos (CTR) de São Fidélis, que receberá o lixo de sete cidades do entorno.

Numa expressiva cerimônia que reuniu 13 prefeitos do Noroeste e dois do Norte Fluminense para debater o tema Gestão de Resíduos Sólidos, Minc entregou para o prefeito de Natividade, Marcos Antonio da Silva Toledo, e para o secretário municipal de Meio Ambiente  de São José de Ubá e presidente da Cosemma/NF, Bismarck José Ney, os Planos Municipais de Conservação e de Recuperação da Mata Atlântica de suas cidades. Os demais planos serão entregues para as outras cidades do Noroeste Fluminense até o final de agosto.

Elaborados pela Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), pela Associação Estadual de Municípios do Rio de Janeiro (Aemerj) e pelo Instituto de Estudos da Religião (Iser), os planos são instrumentos de planejamento e gestão que visam à conservação e recuperação do bioma Mata Atlântica.

Os Planos Municipais de Conservação e de Recuperação da Mata Atlântica orientarão políticas ambientais em uma região que possui alto potencial de expansão de áreas verdes e de implementação de políticas econômicas que beneficiem o produtor que mantiver florestas em pé.

Minc ressaltou que a região foi no passado muito maltratada e esquecida pelas autoridades, e que o atual Governo do Estado decidiu priorizar o Noroeste em muitas de suas políticas públicas.

Na área ambiental, o secretário anunciou ainda a implantação de 15 viveiros de mudas de Mata Atlântica – um em cada um dos 13 municípios do Noroeste e dois do Norte Fluminense, com capacidade de produção anual de 50 mil a 100 mil mudas.

Essas mudas serão fundamentais para o trabalho de reflorestamento das matas ciliares de rios da região, que será incentivado pela Secretaria do Ambiente com o pagamento por serviço ambiental promovido por agricultores cadastrados.

 

Minc destacou também obras no valor de R$ 600 milhões que deverão ser executadas em breve para resolver problemas de inundações em importantes cidades do Norte e do Noroeste Fluminense.

TRATAMENTO DE LIXO INTERMUNICIPAL

Com o apoio da SEA, as prefeituras do Noroeste Fluminense estão implantando duas CTRs para dar uma destinação adequada a todo o lixo urbano produzido na região. Além da iminente inauguração da CTR de São Fidélis – atendendo aos municípios de São Fidélis, Cardoso Moreira, Itaocara, Santo Antônio de Pádua, Aperibé, Cambuci, Italva e Miracema –, em breve será entregue a CTR de Itaperuna, para receber o lixo de Porciúncula, Natividade, Varre-Sai, Itaperuna, Bom Jesus do Itabapoana, São José de Ubá e Laje do Muriaé.

A subsecretária de Meio Ambiente de Natividade e secretária-executiva do Conselho de Secretários Municipais de Meio Ambiente do Noroeste Fluminense (Cosemma/NF), Maria Inês Tederiche, disse que a iniciativa resolverá um sério problema da região, que é a disposição inadequada do lixo:

“Já existe o Consórcio do Noroeste Fluminense que abrange 15 municípios, sendo 13 do Noroeste Fluminense e dois da Região Norte do Estado – Cardoso Moreira e São Fidélis –, para a gestão de resíduos sólidos. Além disso, começa a ser implantado no Noroeste Fluminense a coleta seletiva. Há projetos-piloto em Porciúncula e em Bom Jesus do Itabapoana”, afirmou Maria Inês.

Ao agradecer a presença do secretário do Ambiente no evento, o secretário municipal de Meio Ambiente de São José de Ubá e presidente do Cosemma/NF, Bismarck José Ney, ressaltou que seu município está também incentivando a coleta seletiva, anunciando para setembro o início de sistema de recolhimento de lixo reciclável.

PLANOS DE PRESERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA

Os Planos Municipais de Conservação e de Recuperação da Mata Atlântica – que preveem a participação ativa das populações dos municípios na sua formatação final – apontaram até agora que os 13 municípios do Noroeste Fluminense possuem 62,5 mil hectares de Mata Atlântica – 14% de suas áreas totais somadas. Além disso, têm potencial de reflorestamento de 74,9 mil hectares.

Como resultado da elaboração desses planos, o Noroeste Fluminense ganhou seis Unidades de Conservação. As áreas dessas novas unidades terão 19.584 hectares e vão proteger 295 nascentes e cinco espécies de animais ameaçadas de extinção. Para partes devastadas, está previsto o plantio de 24 milhões de mudas.

“Os remanescentes de Mata Atlântica ainda existentes e com alto grau de biodiversidade precisam ser preservados sob a forma de unidade de conservação. Os planos de conservação preveem uma série de ações de recuperação e de conservação e funcionam como catalisadores de politicas públicas”, explicou a superintendente de Biodiversidade e Florestas da SEA, Alba Simon.

“O próximo passo – continuou Alba – é orientar os municípios a apresentar projetos para obtenção de recursos no Fundo da Mata Atlântica, para a implementação das unidades, construir sedes e demarcar trilhas, entre outras iniciativas.”

UNIDADES MUNICIPAIS DE CONSERVAÇÃO CRIADAS

Porciúncula: Área de Proteção Ambiental (APA) Ribeirão da Perdição, com 6.141 hectares;

Natividade: Refúgio de Vida Silvestre (RVS) da Bela Vista Paraíso; 779,98 hectares;

Natividade: Monumento Natural (Mona) da Água Santa; 1.172,5 hectares;

Cambuci: Refúgio de Vida Silvestre (RVS) do Chauá; 4.439,7 hectares;

Aperibé: Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra da Bolívia; 1.667 hectares;

São Fidélis: Área de Proteção Ambiental (APA) Rio do Colégio; 5.384 hectares.

UNIDADES MUNICIPAIS DE CONSERVAÇÃO EM FASE DE CRIAÇÃO

Santo Antonio de Pádua: Monumento Natural (Mona) da Serra das Frecheiras; 1.558 hectares;

Itaocara: Serra da Caledônia; 845 hectares;

Itaocara: Serra do Cândido; 1.057 hectares.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s