Minc vistoria obras de saneamento em Paraty e Angra dos Reis

Vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente da Alerj fiscalizará projetos que foram viabilizados quando era secretário estadual do Ambiente

 

Quando: terça-feira (3/6/2014); às 10h30, em Paraty; e às 13h30, em Angra

 

Onde: Prefeitura de Paraty e Prefeitura de Angra dos Reis

O vice-presidente da Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Alerj, deputado Carlos Minc, estará nesta terça-feira em Paraty e Angra dos Reis, na Região Sul do Estado do Rio de Janeiro, para fiscalizar o andamento das obras de saneamento nas duas cidades.

 

Pela manhã, Minc se reúne com o prefeito de Paraty, Carlos José Gama Miranda, o Casé, para fiscalizar o andamento das obras de saneamento do centro histórico da cidade. Quando era secretário estadual do Ambiente, Minc apoiou, com recursos do Fecam (Fundo Estadual de Conservação Ambiental), a parceria público-privada para as obras de coleta e tratamento de esgoto de Paraty.

 

As ações em Paraty irão também contribuir para a redução da poluição dos importantes rios da cidade Perequê-Açu e Mateus Nunes.

 

Depois da vistoria, Minc segue para Angra dos Reis, onde se encontrará, por volta das 13h30, com a prefeita Maria da Conceição Rabha, para discutirem o modelo de saneamento do centro da Angra dos Reis, que já conta com recursos do Fecam de R$ 90 milhões; também aprovados quando o Minc era secretário do Ambiente.

 

Minc vai checar também o andamento das obras de saneamento da Ilha Grande que, a cargo do Inea, irão beneficiar 2.000 moradores das enseadas de Araçatiba e de Provetá; com investimentos de R$ 14,4 milhões do Fecam.

 

Às 19h, Minc participará da abertura da Semana do Meio Ambiente de Angra dos Reis, no Centro de Estudos Ambientais (Av. Caravelas, s/n).

 

Um dos temas centrais da fala de Minc será a aprovação, na semana passada, de sua lei criando a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Aventureiro, na Ilha Grande, Região Sul fluminense, com 1910 hectares de área.

 

A reserva do Aventureiro foi um ganho para os 220 caiçaras que vivem nessa região paradisíaca há décadas – antes mesmo da criação da Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul.

 

Com a lei, os caiçaras podem manter suas atividades de sobrevivência, como a roça, pesca e turismo de camping. A preocupação de Minc era garantir que as famílias do Aventureiro pudessem manter suas atividades tradicionais de subsistência mesmo ocupando uma parte mínima de uma reserva biológica.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s